“Vós sois a luz do mundo”

Na noite da Vigília Pascal aclamamos solenemente Cristo nossa luz. O círio pascal significou o sinal visível de Cristo ressuscitado, a luz que dissipa as trevas do medo, da incerteza, do pecado e da morte. Transcorridos os cinquenta dias da Páscoa, a comunidade de fé se reúne para celebrar a Solenidade de Pentecostes, o derramamento do Espírito Santo sobre os apóstolos, sobre a Igreja nascente.

Nesta celebração, evidencia-se o protagonismo do Espírito Santo que atua na comunidade com dons, carismas e a comunidade é encorajada a romper com as portas do medo para ter acesso à via missionária e testemunhar o Ressuscitado. Nesta celebração não se trata de uma vaga lembrança, pois, na liturgia não lembramos fatos, mas fazemos memória. O memorial gera uma contemporaneidade entre aqueles que estavam no Cenáculo e os que celebram posteriormente. No final da celebração de Pentecostes, apaga-se o círio e acende no mais íntimo de cada fiel a luz que por vocação nos é dada para iluminar as realidades, “vos sois a luz do Mundo” (Mt 5,14).

Neste ano, em que o mundo ficou recluso em função da Covid-19, nossas celebrações são celebradas de forma privada e não conta, infelizmente, com a presença numerosa dos fiéis. No entanto, isso não significa que eles estão distantes, em cada celebração eucarística celebrada, a Igreja toda é nutrida. Partindo deste pressuposto, na solenidade de Pentecostes, ambicionávamos que cada fiel ao olhar para a imagem da Igreja iluminada com diversas velas, sentisse representado; e que esta celebração os ajudasse a lembrar da missão de cada um: iluminar o mundo, hoje marcado pelo medo, com a luz de Cristo, que revigora as forças e coloca diante dos nossos olhos a esperança.

 

Pe. Josimar Franco