Seminário Propedêutico São José

SEMINÁRIO PROPEDÊUTICO SÃO JOSÉ

 
Abordagem Geral

O Seminário Propedêutico é o primeiro passo do caminho de formação presbiteral.
Vivendo na presença de Deus, conhecendo melhor os fatos do dia-a-dia, buscando esclarecer o chamado Dele para uma vocação mais consciente.
O Propedêutico possibilita ao jovem, que integra ao esquema de formação
seminarístico, enxergar e modificar deficiências em sua formação, bem como valorizar e desenvolver suas experiências anteriores, assumindo novos valores. Tentando amenizar algumas dificuldades vividas pelos jovens de hoje.
O objetivo do Propedêutico é acompanhar o jovem que está nesse processo de discernimento vocacional. Neste período oferece-se a ele a possibilidade de um crescimento na totalidade do seu ser, nos seguintes aspectos, a saber:
● Aspecto humano: ajudando-o a se conhecer melhor e desenvolver sua
capacidade de se relacionar com os outros .
● Aspecto intelectual: oferecendo a possibilidade de um aprofundamento em várias disciplinas, entre elas o Latim e o reforço do Ensino Médio.
● Aspecto espiritual: Noções e vivências pastorais, espirituais e litúrgicas em momentos de orações pessoais e comunitárias.
O Seminário Propedêutico pode ser comparado à semente de mostarda, parábola contada por Jesus. Ela é a menor das sementes, mas depois, quando semeada, regada e bem cultivada, ela se torna uma maravilhosa árvore e produz muitas outras sementes. Semelhante a isto é o que se percebe nos acontecimentos do Propedêutico. Aos poucos com as experiências comunitárias, com as direções espirituais, com o estudo, as tarefas de casa e a oração, com o dia-a-dia de estudo e trabalho, é que se descobre o que Deus quer da vida de cada jovem.

Breve Histórico do Propedêutico na Diocese de Caratinga

Em 1992, o papa João Paulo II, em sua Exortação Apostólica “Pastores Dabo Vobis” pediu que os seminários tivessem o curso propedêutico, conforme se pode ler no trecho extraído do nº 62: “A finalidade e a configuração educativa do Seminário Maior exige que os candidatos ao sacerdócio entrem já com alguma preparação prévia. Tal preparação não colocava problemas particulares, pelo menos até alguns decênios atrás, no tempo em que os candidatos ao sacerdócio provinham habitualmente dos Seminários Menores e a vida cristã das comunidades oferecia facilmente a todos, indistintamente, uma discreta instrução e educação cristã (…) peço que haja um período adequado de preparação que precede a formação do seminário”.
O Seminário Propedêutico nasce em nossa diocese em decorrência do constante incentivo da Igreja para a existência do curso propedêutico, embora inicialmente equivalente ao 1º ano de filosofia, porém numa comunidade separada do restante do curso filosófico.
Em 1998 o então bispo diocesano, Dom Hélio Gonçalves Heleno, como sempre muito empenhado na formação de seus presbíteros para a Igreja, juntamente com as dioceses que estudavam em nossos seminários naquela ocasião (Guanhães e Governador Valadares), determinaram através de um decreto datado em 02 de fevereiro que a casa do propedêutico fosse criada e se estabelecesse na cidade de Entre Folhas,
Para seu funcionamento, adaptaram-se, com uma reforma feita pelo Seminário Diocesano ajudado por algumas paróquias da diocese, dois prédios ao lado da Matriz Nossa Senhora do Rosário, onde antes era a casa paroquial. A diocese designou para assumir a reitoria o então pároco daquela cidade Pe. José Moreira Bastos Neto (que mais tarde se
tornaria bispo de Três Lagoas-MS). Os 13 seminaristas da primeira turma chegaram a Entre Folhas no dia 26 de fevereiro de 1988 e iniciaram oficialmente os trabalhos da casa numa Eucaristia presidida na Matriz de Entre Folhas por Dom Corrêa e concelebrada por Dom
Hélio, Pe. Moreira, Mons. Levy, Pe. Paulo Peixoto, Pe. Othon, Pe. Jamir e pelo Diácono Gouveia em 28 de fevereiro.
Em Entre Folhas, dentre outras coisas, marcou muito positivamente a vida do Seminário Propedêutico a forma como ele foi acolhido pela comunidade paroquial da cidade; o entusiasmo e a alegria que envolvia as pessoas que se ligavam a ele, assim como a vida orante do povo, tornou-se marca indelével em nossa história.
Após dois anos funcionando em Entre Folhas, no início de 2000, por motivos diversos, entre eles a dificuldade de acesso e a falta de espaço disponível, o curso propedêutico em Entre Folhas tornou-se inviável. Em virtude disso, Dom Hélio após reunir-se com o colégio de consultores e formadores decretou a transferência do Seminário Propedêutico São José de Entre Folhas para Ubaporanga.
No dia 12 de fevereiro de 2000, com a celebração eucarística presidida na Matriz São Domingos de Gusmão por Dom Hélio e concelebrada pelos padres José Antônio, Othon, Tito, Moreira, Paulo Peixoto e José Carlos foi oficialmente inaugurado o Propedêutico em Ubaporanga e empossado o pároco daquela cidade, Pe. José Antônio Nogueira como reitor.
A recepção e acolhida das pessoas de Ubaporanga ao Seminário Propedêutico não contrariou as expectativas, inclusive, conta Padre José Antônio, que a ampliação da então casa paroquial de Ubaporanga para acolher o Seminário foi feita com ajuda dos paroquianos em três meses. Ainda hoje calorosamente as pessoas vêm ao encontro dos seminaristas, como quem acredita e espera neles, e, mais que isso, reza constantemente pela vocação de cada um.
A partir de 2001, o curso Propedêutico já não foi mais equivalente ao primeiro ano de filosofia, o que acarretou no aumento de um ano no processo formativo. Foram excluídas do currículo as matérias filosóficas e incorporadas a ele outras mais preparatórias, até mesmo em suprimento de carências educacionais dos seminaristas e aprimorando o Ensino Médio.
O último ano que o Propedêutico recebeu seminaristas da diocese de Governador Valadares foi o de 2002. Foram oito seminaristas que ficaram apenas um semestre em Ubaporanga, pois no segundo foi inaugurado o Seminário Diocesano Senhora Auxiliadora na cidade de Governador Valadares, sede daquela diocese. A partir daquele momento restavam os seminaristas de Guanhães e Caratinga.
No início de 2006 com a ida de Pe. José Antônio para Caratinga, Pe. José Carlos de Oliveira é transferido de Ipanema para assumir tanto a paróquia como o seminário em Ubaporanga, sendo assim o terceiro reitor daquela casa e trabalhando incansavelmente na ampliação e restauração da estrutura do propedêutico.
Em outubro de 2011, Pe. José Carlos é nomeado Vigário Geral da Diocese e
transferido para a sede em Caratinga, com isso Dom Emanuel Messias nomeia um novo reitor, Pe. José Geraldo de Gouveia.
Após a sua ordenação em 2012, Pe. Allan Pedrosa Carvalho é provisionado a assumir a paróquia de Ubaporanga e com isso auxilia também na formação dos propedeutas assumindo a Direção de Estudos.
Em dezembro de 2014 com a ida de Pe. Gouveia para Vermelho Velho e de Pe. Allan para Ipaba, Dom Emanuel transfere de Martins Soares (e Durandé) Pe. Joaquim Rocha de Calais para assumir tanto a paróquia como a reitoria enquanto os padres da Catedral, Ademilson e José Raul ficam a cargo das Direção Espiritual e de Estudos respectivamente (Pe. Ademilson já exercia a função desde 2012). Em 2016, com a ida de Pe. Ademilson para
São Paulo, onde cursaria o doutorado em liturgia, Pe. José Raul acumula também as orientações espirituais.
Ao fim de 2017, Dom Jeremias Antônio de Jesus – então bispo de Guanhães, decide junto à sua diocese pela transferência dos seminaristas que estavam em Ubaporanga e Caratinga para Diamantina, sede daquela província Eclesiástica, assim sendo a partir de 2018 o propedêutico funcionaria apenas com os seminaristas da Diocese de Caratinga.
Em 2020, Pe. Raimundo Rafael de Paiva assume a função de vigário da paróquia de Ubaporanga e também a Direção Espiritual da casa, deixando mais uma vez Pe. José Raul a cargo apenas da direção de estudos.

Logotipo
 

O Propedêutico tem um logotipo desenhado pelo Pe. Fabrício Almeida de Moura (Pároco de Imbé de Minas), nele representam-se vários símbolos ligados à vocação. A ideia do barco lembra a barca de Pedro. As águas estilizadas no formato de Bíblia, em que o barco se apoia, lembram tanto a missão de batizados quanto a inspiração que provém da Palavra de
Deus na resposta à vocação. Outros elementos significativos estão presentes, como o mastro em forma de cruz que lembra a entrega de Cristo e de cada sacerdote. Os três lírios estilizados na vela lembram a Santíssima Trindade e fazem referência ao padroeiro da casa, São José. O cajado é figura do Cristo Bom Pastor, guia do padre diocesano. Por fim, as letras SPSJ são as iniciais de Seminário Propedêutico São José.