Celebração de Ação de graças pelos Bens da terra.

No dia 21/7 a Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição, de Dom Lara, celebrou o Dia de Ação de Graças pelos frutos da terra.

Os festejos se iniciaram às 14h com a acolhida e concentração no campo do Esporte Clube Dom Lara. As bandeiras do Brasil, de Minas Gerais e de Caratinga foram apresentados e executados os Hinos Nacional, de Minas e de Caratinga.

Pe. Daniel de Souza Fialho, administrador paroquial local, entregou ao senhor Sr. Nezinho, com 101 anos de idade, e D. Josina o certificado de Destaques da Terra pelos inúmeros serviços prestados em prol do povo de Deus. Em seguida houve a apresentação dos instrumentos utilizados na lida do gado leiteiro, na colheita do café, no corte da Cana de Açúcar, no trabalho da lida no campo e na lida das casas rurais como pilão, ferro de brasas, panela de ferro, entre outros.

Ao som do toque do berrante, cavaleiros com os estandartes das comunidades desfilaram pelo campo, bem como charreteiros, carroceiros, tratoristas e um carro de boi. Às 16h teve início a santa missa presidida por padre Daniel, que também foi homenageado pelos paroquianos com uma placa de honra ao mérito. Ao final houve uma deliciosa partilha com broas, biscoitos, leite, café, queijos, doces, suco e muitos outros alimentos produzidos por todos os paroquianos. Também o bingo de ceias em prol da reforma da matriz de Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

 

Antes da benção final Luzia das Graças Gomes Vieira declamou o poema “Caipira Abençoada” o qual publicamos na integra:

 

Eu nasci na roça em meio as plantações

Eu cresci já enfrentei o sol forte

E a chuva com o sereno e o orvalho

Eu nunca me incomodei na labuta do dia a dia

 

Eu trabalho com alegria

Cultivando a esperança e o alimento da minha família

Quando chega o fim do dia

Agradeço a Deus o cansaço e peço saúde e força para enfrentar o outro dia

 

Hoje com as mãos cheia de calos

Trago os frutos do meu trabalho para Senhor abençoar

Com a certeza que cada semente no chão plantada

Em pão vão se transformar

 

E se quiser saber quem eu sou

Pode me chamar de lavradora de roceira ou caipira do mato

Eu respondo com orgulho, pois sei o meu valor

Quem faz a terra produzir é um abençoado do Senhor