Bom Jesus do Galho celebra centenário do Jubileu.

Cem anos de história, evangelização e transformação de vidas

Bom Jesus do Galho celebra centenário do Jubileu. Festa religiosa começou nesse dia 01 de setembro  e vai até o dia 14 de setembro.

BOM JESUS DO GALHO- Hoje a cidade de Bom Jesus do Galho dá início à celebração do centenário do Jubileu do Senhor Bom Jesus. Milhares de pessoas são esperadas para o evento. O DIÁRIO DE CARATINGA traz uma reportagem especial sobre esta festividade. Relatos marcados pela fé, gratidão e esperança. Para este ano, o tema é ‘Cem anos de história, evangelização e transformação de vidas pelo Senhor Bom Jesus’.
HISTÓRICO
A professora Rosângela Vagonete Coelho, 62 anos, logo foi indicada a esta reportagem, como uma das pessoas que mais sabe falar sobre a história do Jubileu e sua importância para a comunidade. Ela relembra que o que virou tradição na cidade, começou com o relato de um fazendeiro acometido por uma doença, que não conseguia sua cara pela medicina. “Era uma pessoa de muitas posses, muitas terras. Então, ele recorreu ao Senhor Bom Jesus, dizendo que se fosse curado, doaria uma parte das terras dele para a construção de uma capela. Ele foi curado, fez a doação das terras e se construiu aqui nesse local uma capela. Essa capela começou então a ser frequentada pelas pessoas, mas, não tinha a dimensão como tem hoje”.
Rosângela se recorda que o número de fiéis foi crescendo e com a isso, a construção de uma segunda igreja. “Teve a capela por dentro e a segunda igreja foi construída por fora, mas não desmanchou a de dentro. Depois dela pronta, desmancharam e fizeram a segunda capela; não satisfeitos fizeram esse Santuário. E assim, o Jubileu foi criado em 1919”.

GRAÇAS ALCANÇADAS
Desde criança, Rosângela acompanha as histórias, o louvor das pessoas e a cura. A cada dia, o Jubileu foi ganhando grandes proporções e atraindo diversas pessoas. “Hoje, que já são 100 anos, para nós é uma glória essa celebração. Quantas pessoas deram o pontapé inicial para o Jubileu e hoje não estão aqui. Considero que somos privilegiados de poder celebrar esse momento de louvor, de graça, de bênçãos, construção de vidas, de história. É uma evangelização e todo o município se mobiliza para isso, até mesmo as outras igrejas estão engajadas nesse momento, não só a católica, porque o Bom Jesus é o Senhor Deus de todos nós”.
No seio das famílias ou nos livros de relatos elaborados pela própria paróquia, são muitos os relatos de graças alcançadas, após promessas feitas pelos fiéis. Ela cita alguns exemplos. “O mais interessante que eu achei foi uma família de Ubá, que nunca tinha vindo aqui em Bom Jesus e tinha um filho doente. A senhora sempre ouvia falar do Jubileu, mas não podia vir. Então, ela pediu à vizinha dela que trouxesse a foto da criança e rezasse para ela. Ela acreditou na cura do filho, mesmo em tratamento, ela acreditou que o Bom Jesus poderia curá-lo. Fez o tratamento dele por seis anos, em seguida, veio a Bom Jesus com os filhos e o marido, para conhecer o Santuário e agradecer a cura do filho. Acho muito interessante que ela acreditou na cura sem conhecer a nossa realidade, só de ouvir falar no Bom Jesus milagroso, que cura, liberta e dá saúde”.
Outro caso que ela conta é de 1995, envolvendo sua tia, que hoje já é falecida, mas, havia perdido um filho que tinha 22 anos, o que lhe deixou bastante agoniada. “Isso aconteceu no mês de janeiro e em setembro ela veio para o Jubileu. Chegando aqui, ajoelhou-se nos pés do Senhor Bom Jesus, no altar, se debulhando em lágrimas, questionando a Ele por que fez aquilo com ela. Desabafou e disse que, após muito questionar, ela estava sozinha na igreja, levantou e tropeçou em um rapaz. Deu de cara com a camiseta que ele vestia e estava escrito: ‘Não coloque uma interrogação, onde Deus colocou o dedo’. Ela disse que aquilo lhe tocou profundamente, ela tinha acabado de questionar. Deus mostrando para ela: ‘Levei o seu filho, ele foi para a eternidade porque tinha que ir, é uma necessidade, você não precisa ficar desesperada. Eu estou aqui!’”.
Conforme Rosângela, sua tia voltou, ajoelhou, pediu perdão por ter feito aquele e virou-se novamente para conversar com o rapaz, mas não lhe encontrou mais. “Olhou a igreja toda e esse rapaz não apareceu. Nunca mais ela encontrou, no Jubileu inteiro nunca viu uma camisa com isso. Ela falou para mim que acredita que foi Deus tocando nela e falando: ‘Seu filho tá comigo, na eternidade e está bem’”.
O irmão de Rosângela também recebeu uma graça de cura e libertação. Ele tinha uma doença cardíaca, e apesar de passar por vários médicos, seria arriscada uma cirurgia, ficando inclusive impossibilitado de trabalhar. “Em 2012 estive na Terra Santa, numa das capelas Monte Tabor, eles perguntaram por que estávamos ali. Eu disse que estava ali por mim e também para receber uma graça pelo meu irmão. Na mesma terra que Jesus pisou, tinha certeza que ele seria curado. Quando fui embora de lá, uns dias depois fui em Aparecida do Norte e diante de Nossa Senhora renovei esse pedido que ela intercedesse. Comprei para ele um coraçãozinho de cera e trouxe. Logo em seguida, teríamos Jubileu, falei que ele levasse ao Senhor Bom Jesus e pedisse a cura e a libertação, a medicina já tinha feito tudo que podia fazer. Ele veio no dia 13 de setembro de 2012. Daí uns dois anos mais ou menos, ele sentado almoçando comigo, saiu o diagnóstico de que ele estava curado, ele toma os medicamentos, mas teve a cura, a libertação daquilo que incomodava”.
Além destes momentos de pedidos especiais, para Rosângela, a proteção recebida é diária. “Me considero uma pessoa privilegiada de estar vivendo esse momento, fazer parte dessa história e conhecer muitas pessoas também que já passaram por aqui, os padres, quantas graças já recebemos, continuamos recebendo e ainda vamos receber”.

 

O CENTENÁRIO
Os preparativos para o centenário tiveram início em 2017, quando a equipe de trabalho foi montada. Com a ajuda de paroquianos e colaboradores foi criado Ano Jubilar. “Em 14 de outubro do ano passado fizemos a abertura, o Ano Jubilar é a imagem do Senhor Bom Jesus visitando as nossas comunidades, temos 20 comunidades rurais que pertencem à paróquia. Cada uma delas recebeu a imagem do Senhor Bom Jesus. Todos nós íamos nessa peregrinação. E foi o Jubileu das nossas comunidades, tivemos pessoas de várias localidades, que ficaram encantadas nesse momento. No dia 10 de agosto a imagem retornou para a comunidade da Igreja Nossa Senhora do Rosário, aqui da cidade. A imagem está lá, no dia 1° de setembro vem para a Matriz, onde vamos fazer a abertura do centenário. Um momento muito rico, que vai ficar eternizado para todos nós”.
Em época de Jubileu a cidade respira um clima diferente. Uma grande mobilização em torno do evento. “Temos um mural de fotografia, a sala das promessas com as doações recebidas, relato por escritos. A cidade toda se mobiliza, as barraquinhas, promoções para ajudar a fazer com que possamos acolher bem as pessoas, nossas famílias. As escolas, prefeitura, câmara, todas as nossas instituições se unindo para esse momento”.
A programação inicia hoje com a imagem peregrina do Senhor Bom Jesus, que sairá da capela às 16h em procissão. Todas as comunidades estarão, bem como os grupos e movimentos. Em seguida, acontecerá a missa campal de abertura com dom Emanuel Messias e outros padres convidados. “Teremos a celebração da ação litúrgica e logo após vamos oferecer um jantar para todas as pessoas presentes ali. Ao longo da semana, dos dias 2 a 14 teremos vários horários de missa, 8h, 15h e 19h. Nesse intervalo das missas as escolas vão participar e os grupos, movimentos vão fazer as homenagens. Teremos dois momentos com missa sertaneja”.
Muitas pessoas passarão ao longo destes dias, mas, Rosângela acredita que o encerramento receberá o maior número de visitantes. “Nós acreditamos que no dia 14 de setembro, o ponto máximo que é a missa das 15h, a celebração solene com a benção do Jubileu do Centenário, receberemos mais de 23 mil pessoas, fora o número de pessoas que vão passar. Já temos várias romarias agendadas, principalmente toda a região do Vale do Aço. Participem, vai ser um momento muito rico para Bom Jesus do Galho e para todos aqueles que vierem. Estamos de braços abertos, sintam-se acolhidos, a casa é grande, vai caber todo mundo. Contamos com a presença de todos”.

Fonte= https://www.facebook.com/diariodecaratinga/