A proposta do amor de Deus como centralidade da salvação

Liturgia do dia 04 de junho de 2020

Reflexão sobre a Palavra

 Textos de referência:          1ª leit 2Tm2, 8-15

Sl 24

Ev Mc 12-28b-34

 Tema: A proposta do amor de Deus como centralidade da salvação

 

Querido irmão, querida irmã:

 

Dentro das possibilidades de reflexão sobre a Palavra para esta celebração litúrgica, escolhi falar sobre a proposta do amor de Deus como centralidade da salvação. Vou partilhar minha humilde reflexão com você na busca de entender a mensagem que Deus nos quer transmitir para esta ocasião.

A proposta evangélica de Jesus segundo Marcos mostra a Jesus como plenitude da revelação dando uma ressignificação às normas do Antigo Testamento.  Ele sintetizou o conjunto das normas em:  Amor a Deus expressado de modo concreto no amor ao próximo (no amor ao irmão). Não se trata de um amor fragmentado mais do amor que envolve a totalidade do ser (ama com mente, força e coração).

A partir de uma visão teológico-bíblica podemos perceber três (3) conceitos chaves para falar do amor:  philia, eros e ágape. O último, ou seja, “ágape” é o primordial para compreender os outros dois. Se entende por ágape, entrega total- Dom. Por um lado, ágape é tão profundo que levou a Jesus a sua entrega na cruz, gesto de um amor extremo como concretização da redenção humana (cfr.Jo 3, 16).

Por outro lado, Philia: é o amor cultivado entre amizade também no âmbito familiar como dom de Deus fundamentado nos valores humanos e cristãos. A relação de Jesus com os seus discípulos é prova de uma verdadeira amizade.

Por último, o eros traz uma concepção do amor humano expressado através de sentimento e atração na visão grega. Porém, foi ressignificado à luz do NT. Adquiriu uma compreensão mais profundo no sentido do cuidado de (um pelo outro) referido ao amor conjugal ou nos relacionamentos diversos. Nessa perspectiva, percebemos hoje em dia uma marginalização do amor desvalorizando cada vez mais este dom precioso de Deus em alguns relacionamentos.

São Pedro Julião Eymard, fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento aprofundou na concepção da ágape ao respeito do tema “o amor exagerado” (o amor extremo) a partir de seu zelo pastoral, da sua entrega total expressado no “Dom de Si” como consequência de uma vida plenamente eucarística[1]

Com tudo, a saberia do evangelho nos interpela estimado irmão e estimada irmã a escolher o caminho do amor no qual herdemos a salvação e permanecer nele. Porque é o caminho da humanização, é o caminho da irmandade e é o caminho da construção do reino de Deus.  Convido você a meditar e refletir sobre estes dois questionamentos para que, de maneira pessoal você tire a suas próprias conclusões sobre essa mensagem de Deus.

  • Como você está expressando esta proposta de amor na vivência do seu projeto pessoal, familiar e comunitário?
  • Olhando para nossa vida quotidiana: nós sentimos mais apegados a lei ou à proposta do amor dada por Jesus no Evangelho?

Ir. Elibien Joseph, sss

Paróquia Coração Eucarístico de Jesus

Santuário de Adoração

 

 

[1] Regra de vida- Congregação do Santíssimo Sacramento No. 02.