Sobre o momento nacional, dom Joaquim Mol afirma que a Igreja diz ao povo: “erga a cabeça!”

Autor Claudio Geraldo | Data 3 de maio de 2017



O bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG), dom Joaquim Giovani Mol, falou aos jornalistas na tarde desta terça-feira, dia 2 de maio, sobre o atual momento nacional. A crise ética na política, a questão econômica e algumas preocupações do episcopado tiveram lugar na fala do prelado, como o da questão da violência, dos direitos das comunidades tradicionais, da criminalização dos movimentos sociais, do desemprego e a da degradação do meio ambiente.

A palavra de dom Mol foi de análise conjuntural, apresentando as situações que se colocam na realidade e algumas causas e pontuando papéis importantes na sociedade para a superação do quadro em que o país se encontra. Para o bispo, a reconstrução do país deverá salvaguardar quatro pontos fundamentais: a dignidade da pessoa humana, a liberdade, a paz e a justiça. “Temos esperança de que o povo brasileiro alcançará [a reconstrução] porque a nossa esperança está fundada em Jesus Cristo Nosso Senhor”, afirmou esperançoso.

Dom Joaquim Mol revelou que está sendo objeto de reflexão da 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) um texto sobre o atual momento que o Brasil vive. Na manhã de hoje, os bispos debateram uma prévia do que será um pronunciamento oficial da entidade.

A Igreja, como serva da humanidade, assim chamada por Paulo VI no fim do Concílio Vaticano II, deve dar as contribuições à luz do Evangelho sobre tudo que diz respeito ao bem da humanidade, de acordo com dom Mol.

Situação atual
O momento é de perplexidade e de falta de perspectiva da população, segundo o bispo. Dom Mol começou abordando a situação da corrupção e desprezo da ética por parte de agentes púbicos e privados.

“Esta perplexidade tem causado um mal muito grande à nossa sociedade, que leva a população brasileira a desacreditar, a se desencantar com os poderes no Brasil, Legislativo, Executivo e Judiciário. E isso é não só muito ruim, mas grave, porque trata-se de instituições que têm que ter perenidade, elas garantem o desenvolvimento da sociedade, a organização da sociedade”, ponderou.

Para o bispo, o descrédito por parte da população não contribui para a solução dos problemas. Ele ressalta que a voz da Igreja vai no sentido de dizer ao povo: “erga a cabeça! Precisamos compreender o que está acontecendo há vários anos para tomarmos parte de tudo isso: viver, praticar uma democracia verdadeiramente participativa”. Tal envolvimento é uma obrigação com os atos acompanhar, zelar, questionar, ajudar e rezar pelas pessoas que representam a população.

Economia
O contexto econômico é de “verdadeiro suplício”, de acordo com dom Joaquim Mol. Ele explica a expressão lembrando de uma fala do papa Francisco: “uma economia que não coloca a pessoa humana à frente como primazia, ela mata as pessoas, porque, no lugar das pessoas, coloca o mercado, o capital”. Dom Mol recordou ainda que a Doutrina da Igreja evidencia a primazia da pessoa humana sobre o mercado e do trabalho sobre o capital, “exatamente o contrário do que propõe a economia de mercado”. O pensamento da Igreja é aquilo que satisfaz a condição humana de viver com dignidade sobre a face da terra.

“Quando a economia inverte esses valores, ela se torna um suplício para boa parte da população”, alerta dom Mol. Neste sentido, para uma pequena parte da população a economia é “escandalosamente” benéfica, por conta do acúmulo de riquezas. O bispo ressaltou a necessidade de o Estado ser o regulador do mercado.

Os últimos pontos da análise apresentada pelo bispo foram: a questão dos direitos das populações tradicionais, a criminalização dos movimentos sociais, o desemprego e a violência, também gerada pela falta do trabalho. “É uma violência para a família”, disse referindo-se ao desemprego.

“É violência também esse esforço que tantas pessoas fazem de incutir ideias, privações e legitimações nas nossas cabeças de forma escravizante. A isso a gente dá o nome de ideologias escravizantes, totalitárias, que vão nos fazendo mover dentro da na sociedade, não na perspectiva de transformar a sociedade, mas de mantê-la assim, como satisfaz apenas a um pequeno grupo”, denunciou.

Dom Mol ainda falou da falta de perspectiva para os jovens que, sem direcionar seu olhar para o futuro, procura-o “de maneira fantasiosa através de outros recursos que ele pensa que são favoráveis à sua vida”, gerando um terreno fértil para a entrada das drogas e outros males. Outra preocupação dos bispos apresentada é a degradação e exploração irracional do meio ambiente.

Papeis importantes
O Poder Judiciário e a imprensa têm um papel importante no processo de reconstrução do país. O primeiro na medida em que garante o direito e a justiça, porque esse é seu papel, mas é esperada uma atuação independente, autônoma, fundada no cumprimento da lei, isonômica, igual para todos. E a mídia, à qual cabe informar e colocar-se a serviço da verdade. “No nosso entender, deve ser uma atuação livre, plural e independente”, afirmou o bispo que concluiu: “entendemos que o caminho do diálogo até a exaustão em momentos de crise e de acirramento é fundamental para que o país possa se entender, se compreender para criar condições de desenvolvimento para todos”.

Mitra Diocesana de CaratingaPraça Cesário Alvim, 156Caratinga - MG35.300-000 - (33) 3321-4600