24º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 15/09/2019

Autor Redacao | Data 4 de setembro de 2019



1a LEITURA – Ex 32,7-11.13-14

 

        Decisão e proposta de Deus

Depois que o povo adorou o bezerro de ouro, Deus se inflamou de ira, não reconheceu Israel como seu povo e decidiu exterminá-lo. É aqui que ele faz uma proposta tremendamente sedutora a Moisés. Deus propõe tirar das costas de Moisés este peso que ele carrega de libertar um povo que não sabe valorizar a liberdade, mas prefere continuar na escravidão. Além disso, Deus propõe promover Moisés. Ele seria um novo Abraão, pois Deus faria dele uma grande nação.

Súplica e postura de Moisés

Moisés recusa a proposta de Deus. Ele não pensa em si, mas no povo, na dignidade do próprio Deus. Em súplica comovente, ele pondera com Deus: por que esta decisão de eliminar o povo? Afinal, este povo pertence a Deus. Foi Deus que o libertou com braço forte. Além disso, como ficaria a honra de Deus diante dos egípcios? Eles iriam dizer que Deus libertou o povo com má intenção: queria mesmo é exterminá-lo no deserto. E onde ficaria o processo de libertação? Ficaria interrompido. Como ficariam as promessas feitas a Abraão, Isaac e Jacó?

 

Deus se arrepende (v. 14)

Através de um diálogo muito humano, ficamos conhecendo a grandeza e dignidade de Moisés como também a bondade e a misericórdia de Deus. Ao invés de contar com o arrependimento do homem é o próprio Deus que se arrepende, coloca o perdão à frente e deixa viver o seu povo.

Como vai a nossa fidelidade ao projeto de vida deste Deus tão humano e misericordioso?

 

2a LEITURA – 1Tm 1,12-17

 

A carta foi escrita por um discípulo de Paulo como se fosse ele mesmo. Afinal, é ele que continua orientando suas comunidades e discípulos através da sua escola. Paulo deixa Timóteo em Éfeso e agora lhe escreve diante das filosofias e doutrinas erradas, que estão aparecendo na comunidade, diante dos conflitos e arrogâncias das lideranças. O autor apresenta o exemplo do próprio apóstolo.

O texto de hoje começa com uma ação de graças (v. 12) e termina com um hino de louvor (v. 17). Qual é o motivo da ação de graças? É o chamado de Cristo Jesus. Ele confia no pecador. Ele não nos chama para o ministério, porque somos santos, mas confia em nós por causa de sua própria bondade, misericórdia e gratuidade. Foi assim que aconteceu com Paulo que antes era blasfemo, perseguidor e violento. Fiel mesmo é só Jesus, mas a sua graça transbordou no coração de Paulo. O importante é abrir o coração e acolher a palavra fiel de Jesus: “Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o primeiro” (v. 15).

 

O exemplo

Paulo não quer se comunicar como modelo de perfeição para os líderes que se afastaram da santidade (v. 6), mas apresenta-se como aquela pessoa, que se deixou moldar por Deus. Jesus foi tremendamente paciente para com ele e, graças à sua abertura,  ele encontrou misericórdia (v. 16). Aqui, sim, está o exemplo de Paulo. Ele é exemplo da misericórdia de Cristo para quem crê.

 

O hino

O hino de louvor é bastante solene, talvez para contrastar com as vaidades, glórias e arrogâncias dos líderes e doutrinas errôneas e extravagantes que estavam aparecendo: “Ao Rei dos séculos, Deus imortal, invisível, único, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém!” Quer dizer, a honra e a glória só a Deus, que é absoluto, incorruptível, invisível e único.

 

EVANGELHO – Lc 15,1-32

 

O capítulo 15 é o coração do Evangelho de Lucas. São três parábolas de misericórdia ou a parábola dos três perdidos: da ovelha perdida, da dracma perdida, do filho perdido. Esta parábola do Filho Pródigo deve ser chamada de parábola dos dois filhos e, melhor ainda, parábola do Pai misericordioso.

 

Introdução – Os “justos” e pecadores – vv. 1-3

Essa introdução é de fundamental importância. De um lado Jesus e os pecadores. Quem são eles? São pessoas que tinham conduta imoral (adúlteros, mentirosos, prostitutas, etc.) ou exerciam profissões consideradas desonestas ou imorais, (cobradores de impostos, pastores, tropeiros, vendedores ambulantes, curtidores). Do outro lado os que criticavam a atitude misericordiosa de Jesus: fariseus, doutores da lei, que representavam a classe dominante e se consideravam justos. Jesus conta as parábolas para eles perceberem que a sua atitude é a atitude do Pai.

 

1a parte – o pai e o filho mais jovem (vv. 11-24)

O filho pede sua parte da herança ao pai e depois parte para bem distante. Pecar é distanciar-se da casa do Pai com experiências desligadas da fonte do amor e da vida. Mas ele acaba “na lama”, cuidando de porcos, animal imundo para os judeus. Nem comida de porcos ele tinha. Reconhece na miséria absoluta que na casa do Pai até os empregados tinham de tudo. Ensaia sua confissão e decide voltar. Sua esperança é de ser ao menos um empregado. O importante para ele é o pão, que não falta na casa do pai.

Mas o Pai o aguardava ansioso (v. 20). Vendo-o, encheu-se de compaixão e correu ao seu encontro e o restabelece na família com toda a dignidade de filho: o beijo é o sinal do perdão; a veste festiva é para um hóspede de honra; a entrega do anel é a restituição de todos os direitos e poderes na família; os sapatos eram luxo de homens livres, escravos não usavam. A carne era usada só de vez em quando e matar um bezerro era coisa especial para grandes festas. Naquela casa voltou a alegria: “vamos fazer um banquete. Porque este teu irmão estava morto e tornou a viver, estava perdido e foi encontrado. Mas… e o filho mais velho?”

 

2a parte – o Pai e o filho mais velho (vv.25-32)

O filho mais velho tem todas as qualidades, mas não é capaz de acolher o irmão que volta, nem quer partilhar da alegria do coração do Pai, que insiste com amor e ternura para que ele entre para a festa. Gabando-se de sua conduta justa e irrepreensível, chega a criticar a atitude do Pai. A parábola termina com o Pai justificando a sua conduta misericordiosa. E o filho mais velho? Entrou ou não entrou na festa? Agora entenderemos os versículos iniciais.

O filho mais novo são todos os pecadores com quem Jesus faz a festa. O filho mais velho são os fariseus e doutores da lei que se consideram justos, mas são incapazes de acolher os irmãos marginalizados e ainda criticavam a atitude de Jesus. E você? Qual a sua postura? 

 

 

Dom Emanuel Messias de Oliveira

Bispo diocesano de Caratinga

 

Mitra Diocesana de CaratingaPraça Cesário Alvim, 156Caratinga - MG35.300-000 - (33) 3321-4600