Padre Agostinho celebra 50 anos de presbiterado na próxima semana

Autor Claudio Geraldo | Data 27 de junho de 2019



Um tríduo, em Lajinha, antecede a festividade – O padre Augusto Marques de Moraes Neto, tradicionalmente conhecido como padre Agostinho, completa na próxima semana 50 anos de ordenação presbiteral, sendo mais de 40 dedicados à Paróquia de Nossa Senhora de Nazareth, em Lajinha.

O tríduo, que se inicia nesta sexta, 28 de junho, conta com celebração eucarística, às 19h, na comunidade Sagrado Coração de Jesus. No Sábado, 29, no mesmo horário, acontecerá a celebração eucarística na comunidade Santa Isabel, no distrito do Prata. Já no domingo, dia 30, a celebração será realizada na Igreja Matriz de Nossa Senhora de Nazareth, às 10h. A grande festa jubilar acontecerá na terça-feira, 2 de julho, com missa solene e festiva, às 19h, na Igreja Matriz, presidida pelo bispo diocesano de Caratinga, dom Emanuel Messias de Oliveira, e concelebrada pelos padres presentes.

 

Conforme o pároco de Lajinha, padre Wagner Augusto Soares, o momento contará com a presença de toda a comunidade paroquial, além de visitantes de outras paróquias que desejarem homenagear padre Agostinho. “Com uma vida doada à nossa diocese de Caratinga, em especial à nossa Paróquia Nossa Senhora de Nazareth, em Lajinha, temos muito que agradecer a Deus pelo testemunho de simplicidade e de busca da santidade no ministério sacerdotal deste grande homem de Deus”, destacou padre Wagner.

 

Padre Agostinho nasceu em 8 de agosto de 1930, em Rio Preto, MG. É um dos 12 filhos do senhor Alcides Marques de Moraes e da senhora Cenira Pinto Marques. Na juventude, trabalhou no Banco Nacional, em Juiz de Fora, por muitos anos. Sentindo o chamado de Deus, deixou tudo e foi acolhido para a vida monástica no Mosteiro de Itaporanga – SP.

 

Em 2 de julho de 1969 foi ordenado presbítero pela imposição das mãos de dom José Eugênio Corrêa, na época bispo diocesano de Caratinga. A amizade entre dom Corrêa e padre Agostinho era antiga. Conforme contou padre Wagner, na infância, o garoto Agostinho já teria servido ao altar como coroinha do, à época, padre Corrêa, em Rio Preto.

 

No início de 1971, padre Agostinho pede ao amigo dom Corrêa que lhe permita fazer uma experiência pastoral na diocese de Caratinga, sendo acolhido na Paróquia de São Sebastião, em Tarumirim. Em 11 de abril daquele mesmo ano, dom Corrêa o transferiu para a Paróquia de Nossa Senhora de Nazareth, em Lajinha, de onde se tornou pároco emérito em 2005, mas ainda reside.

 

O atual pároco de Lajinha relata que padre Agostinho atendeu, na época, em torno de 5  comunidades da paróquia de Lajinha, dando assistência pastoral à paróquia de Chalé e também à Comunidade de Dores do José Pedro (atualmente pertencente à paróquia de Durandé).

 

“A cidade de Lajinha tinha naquela época cerca de cinco mil habitantes. Era uma realidade de extrema pobreza, em todos os sentidos. A pobreza material devido ao corte da plantação de café na época e a pobreza espiritual, pelo pouco atendimento e ausência de padres por um tempo. Portanto, o maior desafio citado pelo Padre Agostinho foi recuperar a confiança do povo diante da Igreja e da presença do novo pároco que chegava para assumir a comunidade paroquial”, relatou padre Wagner.

 

Padre Wagner avalia que, em Lajinha, padre Agostinho realizou um trabalho apostólico frutuoso, criando comunidades, catequizando, evangelizando e oferecendo toda uma renovação na vida paroquial, diante das propostas da diocese à luz da implantação dos objetivos e propostas do Concilio Vaticano II.

 

Seu legado está eternizado em obras que idealizou e executou, entre elas a ampliação da Igreja Matriz, a construção da Casa de Cursos Nossa Senhora das Graças, o Santuário Nossa Senhora Aparecida, no alto da pedra da Baleia (hoje centro de peregrinação mariana na região), além de zelo e dedicação com a formação de comunidades e construção de capelas, deixando no final do seu paroquiato 42 comunidades,  sendo 5 urbanas e 37 rurais.

 

Padre Wagner destaca ainda que a missão de padre Agostinho em Lajinha foi além das obras físicas, realizando um especial trabalho evangelizador com jovens, adolescentes, catequese de crianças e proximidade com as famílias através dos Movimentos de TLC, TLCA, PLC masculino e PLC feminino.

 

“Agradecemos a Deus o testemunho de vida, de simplicidade, de doação da própria vida por nossa paróquia. Que a vida do padre Agostinho seja fortalecida pela graça de Deus para que continue ainda por muito tempo sinalizando o amor de Deus e a experiência de um verdadeiro chamado, de uma vocação verdadeira e autêntica  no meio de nós”, concluiu.

Mitra Diocesana de CaratingaPraça Cesário Alvim, 156Caratinga - MG35.300-000 - (33) 3321-4600