Eucaristia e mundo do trabalho

Autor Claudio Geraldo | Data 26 de junho de 2019



A partir da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II é destacada a importância da valorização da vida em nossas celebrações litúrgicas, pois estas não acontecem de forma abstrata, mas celebram os fatos salvíficos no hoje da nossa história. Assim, a Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e a fonte donde emana toda a sua força, conservando na vida dos fiéis o que receberam pela fé (cf. SC 10). Por isso tanto se destaca a participação plena, consciente, frutuosa e ativa, a fim de que não seja recebida em vão (cf. SC 11 e 14). Isso vale sobretudo para a eucaristia, celebração do “Pão da Vida” (cf. Jo 6). Vejamos alguns aspectos da celebração eucarística que se relacionam com a vida, especialmente com o mundo do trabalho:

 

 

  • Na eucaristia como ação de graças, a pessoa humana deseja oferecer simbolicamente a Deus tudo o que conquistou pelo trabalho. Ela se vê representante do próprio Deus no meio das criaturas, qual operário com Deus (cf. 1Cor 3, 9) e por isso sente-se agradecido e louva Aquele a quem tudo pertence; oferece-lhe os dons de sua obra transformadora e recriadora no universo. É o ofertório de sua vida como trabalhador. O pão e o vinho, frutos de seu trabalho, são transformados em oferenda litúrgica com todos os demais trabalhos e serviços, frustrações e lutas, realizações e esperanças. Unidos ao oferecimento do Corpo e Sangue de Cristo, eles participam do gesto redentor (cf. CF 1991, Texto-base, n. 162);
  • Na Eucaristia como sacrifício, o trabalhador celebra seu sofrimento, sua luta, sua decepção, enfim seu mundo do trabalho, por vezes em situação angustiante, injusta e incerta; celebra a busca de uma realidade mais humana e fraterna, de mais vida para si e seus companheiros. É celebrar a passagem (Páscoa) da morte para mais vida (cf. Idem, n.143). Suportando o que há de penoso e conflituoso no trabalho, assumindo a cruz da transformação, em união com Cristo crucificado, o trabalhador colabora com o Filho de Deus na redenção da humanidade (cf. Idem, n. 157);
  • Na eucaristia como ceia de comunhão, o trabalhador celebra a partilha de seu trabalho, mas sobretudo de sua própria vida com os irmãos. Seu sentimento faz eco com as palavras de Jesus, quando diz: “tomai e comei, isto é meu corpo”. O trabalhador pode dizer: “O pão que comeis, o vinho que tomais, as vestes que vos cobrem, as ruas, as praças, as ciências, os móveis, as plantas… são o meu corpo trabalhador repartido, que faz a vida em abundância para todos” (Almeida Cunha R. I. Teologia do Trabalho, p. 166). A partilha da vida de Jesus, o trabalhador do Pai, se repete de forma semelhante na doação da vida dos trabalhadores que se entregam pelos irmãos (cf. Jo 12, 24-26);
  • Na eucaristia como celebração festiva e de dimensão escatológica, o trabalhador reaviva a sua esperança para novos céus e nova terra, para os quais tendem os acontecimentos da história em todos os setores da vida, também no trabalho. Sem essa dimensão da esperança a vida perde seu valor e seu sentido; torna-se escravidão e fadiga sem razão (cf. CF 91, n. 164). É ela que sustenta e valoriza toda luta por uma vida mais humana, solidária e justa no mundo do trabalho.

A partir dessa reflexão poder-se-ia relacionar outros aspectos da missa com a vida do trabalhador. Mas isso fica para você, que celebra sua vida de trabalho na comunidade.

 

Dom Aloísio Alberto Dilli
Bispo de Santa Cruz do Sul

Mitra Diocesana de CaratingaPraça Cesário Alvim, 156Caratinga - MG35.300-000 - (33) 3321-4600