A Caminho da Páscoa

Autor Claudio Geraldo | Data 2 de abril de 2018



Todos somos peregrinos neste mundo; nossa pátria é o céu. Temos que tomar consciência dessa profunda realidade da nossa fé. É claro, estamos no âmbito da fé. Infeliz de quem não crê na vida futura e procura curtir a sua vida presente no egoísmo, na violência e nos prazeres terrenos e passageiros, enganando ou prejudicando o seu irmão.   Vejam o que São Paulo diz na 1 Cor 15, 19: “Se é só para esta vida que pusemos a nossa esperança em Cristo, somos  dentre todos os homens, os mais dignos de compaixão”. Nossa esperança em Cristo nos coloca em marcha, nos põe a caminho, faz de todos nós peregrinos para a casa do Pai.

 

Quando falamos quaresma, ou 40 dias, estamos falando de um tempo real e ao mesmo tempo simbólico. Real, pois a  quaresma são 40 dias de preparação para a Páscoa. No domingo de Páscoa, ou melhor, no Sábado de Aleluia, prolongado depois no domingo, celebramos a ressurreição do Senhor Jesus. É a Páscoa. Jesus passa da morte para a vida eterna com todo poder e glória que ele vivia antes de assumir a encarnação no seio da Virgem Maria.

 

Passamos este tempo no recolhimento, no silêncio, na busca de reconciliação, no exercício das obras  de misericórdia: jejum, oração e esmola (caridade).Este tempo é um tempo de treinamento espiritual para aprendermos a viver toda a nossa vida mergulhada no mistério da Páscoa. Aqui vem o aspecto simbólico dos 40 dias. Significa o tempo da nossa vida. Nossa vida é muito preciosa para a vivermos sem um compromisso sério com Aquele que deu a sua vida por nós. Jesus morreu para a salvação de todos os homens e mulheres deste mundo. Se me perguntarem: como? Eu respondo pela sua infinita misericórdia. Quem é capaz de entender a misericórdia de Deus, sua abrangência, quando seu Filho, sendo assassinado implora ao Pai para perdoar seus assassinos? Diante da misericórdia de Deus, é melhor acolhermos este inexplicável mistério em profundo silêncio e reconhecermos nossa pequenez e na nossa miséria. Por isso São João Paulo II disse: “Se não fosse a misericórdia de Deus, estaríamos todos perdidos”.

 

Assim, nós passamos (Páscoa) o limitado tempo da nossa vida (“40 dias”) a caminho da vida plena, quando seremos resgatados do poder da morte pela infinita misericórdia do coração do Pai. Mérito de quem? Unicamente, por causa do sangue do Filho, imolado por nós no madeiro da cruz.

 

Se estamos a caminho da Páscoa, devemos viver em contínua passagem de uma vida ruim para uma vida boa, de uma vida boa para uma vida melhor. Todos os dias podemos experimentar a alegria da páscoa corrigindo nossos pequenos ou grandes defeitos, realizando pequenos ou grandes gestos, superando cada dia nossos gestos de violência, buscando com relação aos nossos irmãos uma fraternidade mais expressiva, uma paz mais duradoura. Um dia, pela infinita e inexplicável misericórdia divina, já manifestada na cruz do Filho que morreu para o perdão de todos os pecados do mundo, mergulharemos na paz infinita do coração do Pai.

 

Dom Emanuel Messias de Oliveira

Bispo diocesano de Caratinga

Mitra Diocesana de CaratingaPraça Cesário Alvim, 156Caratinga - MG35.300-000 - (33) 3321-4600